Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Resistência das pragas ameaça agronegócio
...


Elton Alisson  |  Agência FAPESP – O aumento da resistência a inseticidas tem dificultado o controle de pragas agrícolas em diferentes partes no mundo. Um dos motivos para o aumento é o uso indiscriminado desses próprios agroquímicos nas lavouras.



Segundo especialistas, o Brasil tem sido muito ameaçado por esse problema que, se não for controlado, pode afetar a produtividade do setor. A fim de evitar que o aumento da resistência de pragas agrícolas no país atinja um limite a partir do qual não será mais possível controlá-lo, é preciso implementar, com urgência, um plano de manejo integrado de pragas, apontaram pesquisadores participantes do Workshop FAPESP-BBSRC Antimicrobial Resistance (AMR) and Insect Pest Resistance in Agriculture, realizado nos dias 5 e 6 de outubro na FAPESP.



Organizado pela FAPESP em parceria com o Biotechnology and Biological Sciences Research Council (BBSRC) – um dos Conselhos de Pesquisa do Reino Unido (RCUK) –, um dos objetivos do evento foi discutir avanços na pesquisa para controlar a resistência antimicrobiana e de pragas a inseticidas na agricultura.



Durante o evento também foi lançada uma nova chamada de propostas pela FAPESP em parceria com o BBSRC para apoiar pesquisas nessas áreas.



“O fator determinante da evolução da resistência de uma praga a um inseticida é a pressão de seleção, ou seja, o uso contínuo de um mesmo produto sem a implementação efetiva de estratégias de manejo de resistência”, disse Celso Omoto, professor da Escola de Agricultura “Luiz de Queiroz” da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), à Agência FAPESP.



“Isso faz com que aumente a proporção de indivíduos resistentes no campo que, ao se reproduzirem, transmitem os genes responsáveis pela resistência aos seus descendentes e, gradativamente, a população dessa praga passa a não ser controlada eficientemente com o inseticida”, explicou.



Esse problema é ainda mais grave em países de agricultura tropical, como é o caso do Brasil, que possibilita o cultivo de culturas como milho, soja e algodão o ano inteiro. Com isso, o uso de inseticidas para combater pragas agrícolas no país é intensificado e o problema da resistência desses insetos a esses produtos é muito mais rápido.



“Para realizar o manejo de resistência é preciso implementar o que chamamos de Manejo Integrado de Pragas, ou MIP. O I da sigla se refere à integração de diferentes táticas de controle, mas, no Brasil, as pessoas acham que é I de inseticida e fazem por comodidade manejo de pragas apenas com inseticidas”, disse Omoto.



De acordo com dados de pesquisadores da área, nos últimos 12 anos, a utilização de agroquímicos no Brasil aumentou 172%, enquanto no resto do mundo o crescimento foi de 90%.



Em 2012, por exemplo, foram gastos R$ 9,7 bilhões com agroquímicos no Brasil. Já em 2014, o gasto saltou para R$ 12 bilhões, dos quais R$ 4,6 bilhões foram destinados à compra de inseticidas.



Um dos fatores que têm contribuído para o aumento do uso de inseticidas e para dificultar o controle de pragas agrícolas no país, segundo o pesquisador, é a ampliação do sistema de agricultura irrigada. Muito incentivada por programas de governo nos últimos anos, o sistema permite o plantio de culturas, como o arroz, o milho e a soja, em períodos de inverno e com alto valor agregado.



O sistema, contudo, dá origem a “ilhas verdes”, onde ficam concentradas as lavouras e, consequentemente, as pragas agrícolas. Com isso, o número de pulverizações com inseticida nessas áreas é muito maior do que em épocas de cultivo normal.



“A seleção de indivíduos resistentes a inseticidas nessas ‘ilhas verdes’ é muito grande. E são esses indivíduos sobreviventes da ação dos inseticidas nesses locais que vão colonizar a primeira safra, que é a mais importante para a maioria dos produtores”, disse Omoto.



Transgênicos e outras estratégias



Uma das formas de reduzir o uso de inseticida nas lavouras do país e, consequentemente, diminuir a resistência das pragas a esses produtos, seria usar de forma racional variedades transgênicas de culturas que expressam proteínas com ação inseticida obtidas da bactéria Bacillus thuringiensis (Bt).



Com a redução do uso de inseticidas pelo uso dessas culturas geneticamente modificadas para controlar pragas seria possível assegurar a sobrevivência de inimigos naturais desses insetos nas lavouras, que é o controle natural, explicou Omoto.



“A Austrália implantou um programa de MIP que é um exemplo mundial. O programa possibilitou diminuir a aplicação de inseticida e permitiu a sobrevivência de inimigos naturais de pragas agrícolas nas lavouras por meio do uso racional da tecnologia Bt para a cultura do algodão, integrada a outras estratégias de manejo de pragas. No Brasil isso também é possível. Só que, para isso, é preciso também fazer uso das tecnologias Bt disponíveis de forma adequada”, disse.



Ao usar culturas transgênicas resistentes a insetos sem tomar outras medidas para a gestão integrada de pragas, tais como o uso de áreas de refúgio na lavoura, o risco de evolução de resistência é alto, pois a planta transgênica expressa a proteína inseticida Bt continuamente. Dessa forma, a pressão de seleção é bastante alta.



“Nas áreas refúgio são cultivadas plantas não Bt para produzirem indivíduos suscetíveis à tecnologia Bt. Ao cruzá-los com os indivíduos resistentes é possível quebrar a resistência dos insetos-praga a essas proteínas com ação inseticida”, disse Omoto.



Outras estratégias de manejo de pragas discutidas no evento foram o controle biológico – a exploração, criação e liberação em lavouras de inimigos naturais de organismos que atacam culturas agrícolas – e a edição do genoma dos insetos-praga.



Um grupo de pesquisadores do Rothamsted Research, na Inglaterra, tem desenvolvido um programa de pesquisa, denominado “Proteção inteligente das culturas”, que pretende monitorar e prever a propagação de pragas, ervas daninhas e doenças em tempo real e combinar soluções genéticas, químicas, ecológicas e estratégias agronômicas para proteção inteligente das culturas.



“Alguns dos princípios desse programa de pesquisa são que as estratégias de proteção de culturas dominadas por pesticidas hoje não são sustentáveis e que a proteção das culturas de próxima geração precisa de novos alvos e novas intervenções”, disse Mike Bikertt, pesquisador do centro inglês. 

 


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Poderia começar este artigo listando um bom número de companhias que eram líderes em seus segmentos de atuação, mas por não acompanharem as expectativas e mudanças da sociedade, simplesmente deixaram de existir. Afinal, de música e filmes, por exemplo, as pessoas sempre vão gostar.
Publicidade
Foto Materia
O Brasil passa por grandes problemas políticos, econômicos e sociais, como nunca se viu em toda sua história.
Publicidade