Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
DOURADOS: ​Agehab alerta beneficiários de loteamentos sociais quanto a dívidas e escrituração
...


Dívidas podem ser negociadas com descontos à vista ou parcelamento em até 10 vezes -


 



A Agehab (Agência Municipal de Habitação de Interesse Social) está solicitando que os beneficiários de imóveis em loteamentos sociais compareçam à agência para negociação de dívidas referente a parcelas em atraso. Conforme a Lei n° 4106, de junho de 2017, para pagamento à vista das parcelas em atraso será oferecido desconto. Também é possível o parcelamento em até 10 vezes, sem outros acréscimos.



Para os beneficiários que já quitaram as 60 parcelas estabelecidas conforme contrato de concessão de uso, é solicitado que compareçam à Agehab para encaminhamento da documentação de escritura, que é realizada de forma gratuita.



Conforme o diretor-presidente da Agehab, Sérgio Henrique Pereira Martins de Araújo, o desconto para os beneficiários que optarem pelo pagamento à vista será de 15%. Parcelas vencidas e não pagas contarão com correção com base no IGPM (Índice Geral de Preços do Mercado), mais juros moratórios de 1% ao mês.



Diferente de anos anteriores, a Agehab não enviará boletos bancários aos beneficiários nos loteamentos. A ação ocorre por direcionamento da Prefeitura de Dourados, tendo em vista conter gastos com impressão e combustível em um período delicado financeiramente, conforme já é de conhecimento da população.



A convocação é válida para beneficiários de imóveis situados nos loteamentos nas vilas dos ofícios da Vila Mari, do Jardim Oliveira, do Canaã III, São Braz e Novo Horizonte, além dos bairros Brasil 500, Canaã III, Estrela Moroti, Estrela Hory, Estrela Poravi I e II, Estrela Yvatê, Estrela Tovy, Estrela Verá, Estrela Pyahu, Estrela Porã, Estrela Jupy e Ypê Roxo.



Mais informações podem ser obtidas no telefone da agência: 67- 3411-7723.



 


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
O ciclo de quedas tem como principal objetivo estimular a retomada da economia. Considerando que houve dois anos consecutivos de queda, percebemos que mesmo que o Produto Interno Bruto (PIB) tenha voltado a crescer em 2017, essa recuperação ainda é lenta.
Publicidade
Publicidade