Publicidade
MidiaFlex
Publicidade
Curtas da ação Cineclubes Livres serão exibidos neste sábado
...


Em 14 de julho, sábado, o projeto de extensão Cineclube UFGD fará a exibição de seis curtas da 17ª Mostra do Filme Livre que fazem parte da ação independente Cineclubes Livres e foram produzidos em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia e Minas Gerais. A sessão começa às 17h e será realizada no cineauditório da Unidade 1 da UFGD (Rua João Rosa Góes, 1761, Vila Progresso). O evento é gratuito e aberto ao público.



A Sessão Curtas Livres apresentará: Historiografia (Amanda Pó, 2017, SP); Travessia (Safira Moreira, 5min, 2017, RJ); CorpoStyleDanceMachine (Ulisses Arthur, 2017, BA);  A paz ainda virá nesta vida (Isabella Geoffroy, Nícolas Bezerra, 2017, RJ); A retirada para um coração bruto (Marco Antônio Pereira, 2017, MG) e; Talaatay Nder (Chantal Durpoix, 2016, BA).



A 17ª Mostra do Filme Livre aconteceu nos meses de abril e maio em Brasília, São Paulo e Rio de Janeiro. A partir dos filmes premiados na Mostra foi elaborada a curadoria para a ação Cineclubes Livres, com previsão de promover mais de 170 exibições em todo Brasil.



Em Dourados, o Cineclube UFGD inscreveu-se para ser exibidor de duas sessões, sendo que a primeira ocorreu no último sábado (07), com o longa “Fernando” (Igor Angelkorte, Julia Ariani, Paula Vilela, 2017, RJ)



O Cineclube Livres é a maior ação cineclubista em voga no país, há 11 anos levando filmes livres para mais gente Brasil adentro. De acordo com a organização da17ª Mostra do Filme Livre, o desejo é de, mais uma vez, expandir o alcance desse cinema vivo, que emerge à margem das leis de incentivo e do capital especulativo, livres na forma, livres no conteúdo, livres para fazerem suas pequenas revoluções.



A programação segue as melhores tendências da MFL#2018 com sessões que representam muito bem a dinâmica e multiplicidade da atual produção de cinema livre. O projeto da Mostra do Filme Livre nasceu no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro e o Banco do Brasil até hoje é o patrocinador do evento.



CONTATOS

cineclube@ufgd.edu.br

https://cineufgd.wordpress.com/

www.facebook.com/cineclubeufgd



 



SINOPSES



SESSÃO CURTAS LIVRES - O melhor da Mostra do Filme Livre de 2018



Duração da sessão: 57 minutos



Classificação indicativa: 14 anos



 



Filmes:



Historiografia (Amanda Pó, 4min, 2017, SP) *este filme é mudo 



Travessia (Safira Moreira, 5min, 2017, RJ)



Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro.



CorpoStyleDanceMachine (Ulisses Arthur, 7min, 2017, BA) *premiado



"Ando por mistério, vivo por mistério [...] Nosso corpo é uma máquina, ou cuida ou sabe como é né?" Entre memórias da boate e relatos de resistências cotidianas; Tikal, importante personalidade do Recôncavo da Bahia, dança e afronta as normas.



 



A paz ainda virá nesta vida (Isabella Geoffroy, Nícolas Bezerra, 6min, 2017, RJ) *menção honrosa



Dois amigos, e a necessidade de fazer um filme sobre o cotidiano violento da favela aonde vivem.



A retirada para um coração bruto (Marco Antônio Pereira, 15min, 2017, MG) *menção honrosa

Ozório é um senhor que vive sozinho onde o Judas perdeu as botas, na zona rural de Cordisburgo-MG. Passa seus dias ouvindo rock no rádio, enquanto vive o luto da sua companheira. Até que um movimento no céu quebra sua solidão.



 



Talaatay Nder (Chantal Durpoix, 20min, 2016, BA) *premiado



“Talaatay Nder”, significa em língua Wolof “Terça feira de Nder”, é uma homenagem poética para as mulheres de Nder, na região do Walo, Saint-Louis, Senegal. Em 1820, as Rainhas de Nder, lutaram e escolheram o suicídio coletivo para escapar à escravidão e preservar a sua liberdade e dignidade. A história de Nder continua viva e atualiza-se na moder


Envie seu Comentário

Publicidade
Olho Magico
Com tantos candidatos, há a tendência de os eleitores — porque a mídia eletrônica, rádio e TV, priorizam as candidaturas majoritárias, de presidente, governadores e senadores — desprezarem o pleito proporcional, aquele que elege os deputados, federais e estaduais.
Publicidade
Foto Materia
O Brasil passa por grandes problemas políticos, econômicos e sociais, como nunca se viu em toda sua história.
Publicidade